Diário de um wrestler - Dias de superação



Dias 22/03 - 24/03 – 26/03


Chegamos aos últimos treinos do mês, foram dias corridos para todo mundo da BWF, era entrevista para um lado, logo em seguida organizar um show e ainda tinha os treinos, a semana definitivamente não foi fácil para o Bob e para a galera que ajuda ele.


Mas já no primeiro treino (o de terça) entrei pela primeira vez em ringue para fazer o que sempre sonhei... descer a porrada em alguém, dando o treino tivemos Acce e Boer, tivemos claro toda a parte física do treino como sempre, mas dessa vez eles colocaram a gente para atuar dentro do ringue, fazer sequência e trabalhar com nossos parceiros de treino para de certa forma ir gerando uma certa química entre nós. O treino foi incrível, me senti confiante para fazer as coisas, receber os golpes e também aplicar, fazer rolamentos (não sei dizer se da forma mais correta e vocês vão entender o motivo mais para frente) foi tudo muito bom.


Não consegui infelizmente participar do treino de quinta, às vezes fica muito difícil conciliar o treino com todo o resto das coisas que tenho que fazer, ainda mais que eu saio do trabalho as 17h, o treino começa às 18h e levando em consideração os 16 km que precisam ser percorridos de um lugar para o outro as vezes fica maio complicado.


Mas então chegamos no sábado, Dante fez jus à alcunha de aniquilador e simplesmente aniquilou a minha vontade de viver dando um treino físico extremamente pesado (pelo menos para mim que não tem condicionamento físico nenhum) mas ao mesmo tempo que aquele treino nos faz parar de sentir as pernas ele também ajuda muito na parte física, depois dessa parte fomos para parte de rolamentos e aí entra uma coisa que é de certa forma até um pouco emocionante.


O fã de wrestling vê aquelas pessoas dentro do ringue e se encanta, mas as vezes é um pouco difícil conhecer as pessoas que você é fã, pois pode acabar sendo decepcionante. No meu caso é o contrário, eu vi o Max Miller e o Toko parando o treino deles simplesmente para me ajudar a fazer um rolamento direito obviamente eles não ajudaram só a mim, mas só posso falar sobre minha experiência em relação a esse momento, pois talvez eles estejam me vendo como um companheiro de treino, ou então só como um mano que não acertava o rolamento, mas eu os via com um olhar de fã, um fã que a cada dia se encanta mais por ver que aquelas pessoas não são espetaculares só dentro de ringue, todos eles são pessoas sensacionais fora dele também, poder compartilhar isso com as pessoas e poder viver isso é algo sem igual.


Agora é melhor eu me preparar, pois terça tem mais.

10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo